mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

A TODOS O QUE LEÊ...

Dia de Anos de Uma Crianç...

Dia de Anos de Uma Crianç...

O TEMPO E O AMOR

ERA GLACIAL

OS FINS JUSTIFICAM OS MEI...

Gladiadores do sec. XXI

FORTE CASTELO DE AREIA

FRAGIL CASTELO DE AREIA

AMIGO

O PATO E A CORUJA

ACASO OU DESTINO

NESTA PASCOA PENSA COMIGO

O porquê da Pascoa cedo e...

O Carochinha e o João Rat...

DIA DO PAI

A SIMPLICIDADE

O DESERTO DE ÁGUA

ABRE UMA NOVA JANELA

QUEM LEMBRA A NAU CATRINE...

UM PASSEIO PELO CAMPO

SABEDORIA INFANTIL

A Noite em que a Noite Nã...

Às 7 em Ponto

Detector de Mentiras

A GRANDE LEI DE SALAZAR

O Mundo nas mãos de uma c...

A Loja da Verdade

De Quem Gostamos Afinal?

O Estado da Justiça Em Po...

PARA QUEM O TRABALHO É UM...

Uma Prenda Diferente

Um Minuto

A importância de um amigo

S. Valentim

A MASCARA

Julgar é Fácil

Quem És?

RELAÇÔES HUMANAS

Mais que ensinar, saber o...

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters
blogs SAPO

subscrever feeds

Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

S. Valentim

As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de S. Valentim, como dia dos namorados, têm várias explicações – umas de tradição cristã, outras de tradição romana, pagã.
A Igreja Católica reconhece três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados pensa-se ter vivido no século III, em Roma, tendo morrido como mártir no ano 270. Em 496, o papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de S. Valentim.
Valentim era um sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio II. Cláudio queria constituir um exército romano grande e forte; não conseguindo levar muitos romanos a alistarem-se, acreditou que tal sucedia porque os homens não se dispunham a abandonar as suas mulheres e famílias para partirem para a guerra. E a solução que encontrou… foi proibir os casamentos dos jovens! Valentim ter-se-á revoltado contra a ordem do imperador e, ajudado por S. Mário, terá casado muitos casais em segredo. Quando foi descoberto, foi preso, torturado e decapitado a 14 de Fevereiro.
A lenda tem ainda algumas variantes que acrescentam pormenores a esta história. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo «Do teu Valentim».
Quanto à tradição pagã, pode fundir-se com a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 15 de Fevereiro (que, no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das raparigas romanas. Cada rapaz retirava um nome, e essa rapariga seria a sua «namorada» durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).
Com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 15 de Fevereiro, deu lugar às comemorações em honra do santo, a 14 de Fevereiro.
Há também quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação a S. Valentim, mas deve-se ao facto de assinalar o princípio da época de acasalamento das aves.
Com o decorrer do tempo, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo em Inglaterra e na França – e, mais tarde, nos Estados Unidos. Neste último país, onde a tradição está mais institucionalizada, os cartões de S. Valentim já eram comercializados no início do século XIX. Actualmente, o dia de S. Valentim é comemorado em muitos países do mundo como pretexto para os casais de namorados trocarem presentes.
E vai a Lenda do dia de hoje...... e a que eu gostei mais foi a do "principio da época de acasalamento das aves" .... um pouco de humor sórdido.....

Contos por Palavras: , ,
contado por Jorge Oliveira às 15:34

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

A MASCARA

Tinha sido convidado para uma dessas reuniões ditas de negócios a onde eu tinha sido nomeado membro de uma comissão, mas cheia de personagens hipócritas que se queriam fazer notar e mostrar o poder do seu status social.

Na minha vida profissional e social, sempre me considerei uma pessoa consciente de que, às vezes, é preciso pôr certas máscaras, para representar certos papéis na sociedade.
Antes de entrar para a sala de reuniões procurei a casa de banho, geralmente este local costuma funcionar bem como um refúgio de instantes tranquilos, olhei-me a um dos espelhos que ali havia, e pensei na máscara que devia pôr para cumprimentar as diferentes pessoas que ia encontrar: como hei-de cumprimentar tal e tal pessoa? Que hei-de dizer? Que é que não hei-de dizer?

Todas estas questões passavam pela minha mente naquele momento. Pensava nesse papel absurdo e quase ridículo que há que fazer, e senti a lógica tentação de não entrar.
Mas, esta era uma reunião de carisma profissional bastante elevado e importante que eu, pela primeira vez, tinha oportunidade de participar e não poderia faltar.

Enquanto cumprimentava e sorria, com esse sorriso forçado próprio de tais circunstâncias, recriminava-me a mim mesmo de ter posto uma máscara, a que não estava acostumado, mas que é indispensável nestes casos, para não ser apodado de sério, antipático ou pouco sociável.

A reunião continuou, sempre com essa animação dos disfarces, dos mútuos elogios e dos dizeres mais ou menos finos, exagerados e vulgares que se trocavam.

Contudo, por não estar muito acostumado a estas andanças, optei por ficar um tanto retirado discretamente, enquanto me imaginava no palco de um teatro, vendo os diferentes actores por lá a passear, representando cada um o seu papel o melhor possível.

Vi que nem todos eram bons actores. Vi também que alguns eram como veteranos mestres na arte de pôr e tirar a máscara apropriada a cada momento.

Eu, como espectador, observava os momentos da mudança de máscara e o salão convertia-se em cenário da comédia humana com a particularidade de que os actores todos se julgavam primeiras figuras, e às vezes até parecia que estavam convencidos do papel que representavam.

Sempre continuei retirado da representação. Mas, pensando na possibilidade de, a qualquer momento, ter de entrar em cena, tomei então uma decisão repentina, mas decisiva. Procurando não ser notado, dirigi-me para a porta de serviço e abandonei a reunião.
Interiormente tinha-me posto o dilema de tomar parte na comédia ou de ser sincero comigo mesmo. Naquele ambiente, não era fácil, e talvez nem possível, manter a sinceridade e espontaneidade que eu queria conservar.
Talvez, surpreendidamente, vá iludir a todos que leram está história, embora não me tenha arrependido do meu acto, pois foi feito de uma forma espontânea e sincera, aprendi que posso optar por ser consequente, não menos sincero e espontâneo a cada momento, com os meus próprios sentimentos, pondo a máscara correspondente, jogando o jogo social do momento, ou não assistir. Em todos os casos assumindo as consequências.
E encontrei uma maneira que eu penso ser inteligente de continuar a assistir a essas reuniões participando no jogo, mas sabendo que é um jogo, sem se deixar envolver nele.

Representa um papel, se tens de representá-lo, mas não te identifiques com ele.
Isto, no caso de teres verdadeira necessidade de participar. Porque se isto se faz frequentemente, facilmente chegarás a deixar de ser tu mesmo, e ir-te-ás convertendo a cada momento numa personagenzinha diferente, segundo as situações. E isso, claro, é deixares de ser tu, renunciar a seres a pessoa que realmente és. E então, saberás alguma vez quem és e como és?

Esta multiplicidade de máscaras leva inconscientemente à multiplicidade de "eus", levando a um grande conflito interior e quando uma pessoa não sabe quem é, o que é e como é, estes conflitos multiplicam-se. Para quem pode, depressa vêm sessões e mais sessões com analistas e psicoterapeutas, para não cair em depressão.
Após a terapia, instintiva ou paga, quando parece que as feridas do "eu" estão estancadas, aparece outro "eu" com outras volubilidades.

Não nos enganemos. O disfarce, a falsidade e a hipocrisia obrigam a ter uma grande colecção de máscaras que nem todos os pretextos aguentam.
A verdade e a sinceridade não devem ser pungentes e mal-educadas. Podem ser amáveis.

E devem sê-lo.

É curioso saber que a palavra pessoa vem do uso das comédias gregas, em que os actores punham máscaras para representar os seus papéis. Aquela máscara era a "persona ". Mas aquela máscara tinha expressões gerais. Assim com aquelas máscaras expressavam-se as virtudes ou os vícios, a alegria, a tristeza, a avareza, a mentira...

Mas parece que, nos nossos tempos, há muitas pessoas que sabem jogar muito bem ao teatro grego. Fazem os seus papéis com a máscara correspondente usando a sua personalidade como uma peça de jogo social.

Na nossa realização pessoal e professional a nossa personalidade deve ser reduzida ao seu lugar, e a sua missão, simples e sem enfeites. Para os que sejam capazes de entendê-lo, direi que, enquanto a personalidade não for dissolvida, não haverá verdadeira vida interior, nem autêntica realização pessoal.

A vida diária obriga-nos a dirigir as expressões do nosso corpo e as nossas ideias. Mas, podemos viver com tudo isso desde o centro de nós mesmos, fazendo que toda a nossa expressão externa seja um fluir natural e espontâneo da nossa realidade interna. O que fazemos normalmente é depender e esforçar-nos por sobressair com a nossa personalidade, esquecendo a nossa autenticidade interna.


O trabalho de realização humana consiste em dar a importância e o papel principal ao que é PRINCIPAL. O resto serão formas e mecanismos de expressão.

Contos por Palavras: , ,
contado por Jorge Oliveira às 17:03

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
Domingo, 3 de Fevereiro de 2008

Julgar é Fácil

Eram dois casais vizinhos, muito amigos, com 2 filhos cada.


O primeiro vizinho comprou um coelhinho para os filhos. E, claro, coisas de criança, como os seus vizinhos compraram um animal, as outras também queriam um para a sua casa, então o pai resolveu comprar um cãozinho pequeno, um pastor alemão.

Assim que o primeiro vizinho se apercebeu de que animal o outro amigo tinha comprado, muito preocupado foi logo falar com ele:

- Mas, António, este cão vai comer o nosso coelho e os nossos filhos vão ficar muito tristes, só vais arranjar problemas com isso.

- Não, não acredito, tenho a certeza que não. Imagina. O meu pastor alemão é ainda bebé pequeno, como o teu coelhinho. Vais ver que eles vão crescer juntos, e afeiam-se logo de pequenos um ao outro, confia em mim, pois eu percebo de animais.

E parece que o António tinha razão. Juntos cresceram e amigos ficaram.

Era normal ver o coelho no quintal do cão e vice-versa.

Eis que o João, dono do coelho, foi passar um fim-de-semana na praia com a família, e não levou o coelho consigo, como era habitual. No Domingo à tarde, quando a família do António estava a comer um lanche digno de Domingo, entra o pastor alemão na cozinha. Toda a família quase paralisou quando viu que o cão, de cabeça em baixo, olhos semi-serrados e tristes, trazia o coelho entre os dentes todo imundo, arrebentado, cheio de terra e, é claro, morto.

Após este cenário, o dono furioso, quase matou o cão de tanta agredi-lo e, como bom amigo do homem que este animal sempre é, foi para o quintal a ganir e lamber as suas feridas, sem se voltar contra o dono.

Este, o António, estava agora preocupado com que o João lhe tinha dito, pois ele estava certo – E agora? Só podia dar nisso! Como eu fui burro! Dizia ele. – Já pensaram como vão ficar as crianças? Continuou.

Não se sabe exactamente quem teve a ideia, mas parecia infalível:

Vamos lavar o coelho, deixá-lo limpinho, depois vamos seca-lo com o secador e o coloca-lo de novo na sua casinha. E assim fizeram.

Até perfume colocaram no animalzinho. Ficou lindo, parecia vivo, diziam as crianças.
No final do dia, pela tardinha, ainda o sol brilhava, chegaram os vizinhos. Logo depois ouvem-se os gritos das suas crianças. – Descobriram!

Não passaram cinco minutos, e o João veio bater à porta, assustado. Parecia que tinha visto um fantasma.

- O que foi? Que cara é essa João? Deixa-me tentar explicar! Disse o António a gaguejar, receando já o pior.

- O coelho, o coelho. Diz o outro.

 - Pois o coelho!... António não sabia como começar, pois eram muitos anos de amizade
- Morreu! Disse o João que continuou a falar - Morreu na sexta-feira! Foi antes de viajarmos, as crianças o enterraram no fundo do quintal e agora reapareceu na sua casinha… não quisemos dizer nada antes de termos partido para a praia para não vos entristecer durante este fim-de-semana…
A história termina aqui. O que aconteceu depois não importa.
Mas a grande personagem desta história é o cão. Imaginem o coitado, desde sexta-feira a procurar em vão pelo seu amigo de infância. Depois de muito farejar, descobre o corpo morto e enterrado. O que faz ele... Provavelmente levado pelo seu instinto, desenterra o amigo e vai mostra-lo aos seus donos, imaginando fazer ressuscitá-lo.

O ser humano, no entanto, continua o mesmo, sempre a julgar os outros...

Outra lição que podemos tirar desta história é que o homem tem a tendência de julgar os factos sem antes verificar o que de facto aconteceu.

Quantas vezes tiramos conclusões erradas das situações. Achando-nos donos da verdade? Histórias como esta são para pensarmos bem nas atitudes que tomamos.

"A vida tem quatro sentidos: amar, sofrer, lutar e vencer".

Então: AME muito, SOFRA pouco, LUTE bastante e VENÇA sempre que possível... mas não julgue diante da primeira impressão, visão ou do primeiro comentário.

Contos por Palavras: , , , ,

Outros Contos