mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

Gladiadores do sec. XXI

RELAÇÔES HUMANAS

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Sábado, 29 de Março de 2008

Gladiadores do sec. XXI

 

Nas civilizações primitivas, os homens lutavam e matavam-se à paulada.

Até há cerca de
2000 anos, durante seis séculos, imperadores romanos promoveram, como entretenimento da plateia dos coliseus, as lutas dos gladiadores, entre si ou contra animais ferozes. Estas lutas eram um espectáculo preferido dos romanos, e o duelo só terminava quando um deles morria, ficava desarmado ou ferido sem poder combater. Nesse momento do combate é que era determinado por quem presidia aos jogos, se o derrotado morria ou não, frequentemente influenciado pela reacção dos espectadores do duelo.

Hoje ainda vemos os animais a lutar uns contra os outros. Destroçam-se, matam-se e... comem-se, é natural, para manterem o seu domínio, o seu território, a sua liderança, a sua sobrevivência e a continuação da sua espécie.

Mas, nós, os Homens, tornamos em gladiadores "civilizados" do século XXI. No palco do coliseu das sociedades, as lutas continuam, só que à maneira das lutas "civilizadas", agindo como os nossos antepassados (fomos bem ensinados).

Os homens de hoje, elegantemente vestidos, com gravatas de seda, fatos caros, camisas finas e de marcas elegantes, demagogas e estereotipadas frases e formas externas bem cuidadas e estudadas, ferem e esmagam os seus opositores sem piedade. Não tão com não menos crueldade, selvagismo e ódio dos imperadores romanos ou de um animal não civilizado. Mas, fazem tudo "civilizadamente". A lei da selva continua de pé.

O mais forte destrói o mais fraco. Há que fazer tudo "civilizadamente". Há que portar-se "civilizadamente". Há que matar-se "civilizadamente". Hoje fazemos tudo "civilizadamente". Dão-se falsas desculpas e mente-se "civilizadamente". Atropelam-se os outros "civilizadamente". Rouba-se "civilizadamente"…

Quanto mais débil e vulnerável é a presa, mais se enfurece o caçador, há que fazer agressão para mostrar a sua força.

Passar por cima de tudo e de todos, ganhar todas as batalhas do dinheiro, tornou-se mais importante do que salvar uma vida, ter amizade e dar atenção a alguém que possa precisar.

Organizações mundiais contra a fome, e dos direitos humanos são constituídas, todos nós tentamos de alguma forma contribuir com algo, dão-se modelos económicos e normas de conduta, falamos e tornamos a falar, contudo, perguntamos: - Porque enriquecem os mais poderosos? Porque, cada vez mais, há pobres a serem engolidos e absorvidos numa triste e cruel miséria?

O mais grave em todo este panorama do nosso mundo "civilizado", é que nos acostumamos a isso, e quase não nos impressiona nem nos preocupa. Sem dar-nos conta, não fazemos mais do que os antigos espectadores das plateias dos coliseus, aplaudimos e depois, decidimos quem vai morrer ou continuar a viver.

Contos por Palavras: , , , , ,
contado por Jorge Oliveira às 12:34

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|
Sábado, 19 de Janeiro de 2008

RELAÇÔES HUMANAS

Aqueles que deixei de escrever, aqueles que nunca leram o que escrevi, aqueles que, de mais perto, tiveram a oportunidade de me conhecer melhor e para aqueles que são especiais e a todos os outros demais aqui deixo estas linhas.
Todos os dias nos debatemos com o dilema de vários tipos de relações com os outros, sejam elas virtuais ou reais.
Estas relações começam cada vez mais a exigir que se crie, expresse e experencie facetas de nós próprios cada vez mais elevadas, pois a concorrência, em aumento exponencial, surge a toda a hora com meios mais sofisticados, sublimes e grandiosos de forma a se poderem afirmar, notar e atraírem a eles um maior número possível de relações.
Este comportamento deve-se ao facto de as pessoas terem uma necessidade de se identificarem com outras pessoas, acontecimentos e lugares, julgando assim, de uma forma mais ou menos consciente, estar bem com a vida.
Existem aqueles que, em nível mais alto, conseguem ao longe observar todo este cenário, sem entrar em cena e, gozando de uma plenitude cosmogónica, passam ao lado deste tipo de relações. Porém, existem aqueles, que não gozando dessa plenitude e não tendo também a arte ou saber para competir, na ausência de relações com os outros, entram num estado de sentimento de abandono e solidão, uma quase não existência de si próprios.
Deparamo-nos com uma evolução (não necessariamente a mais correcta e construtiva) que nos obriga a recriar novas versões de nós mesmos, para poder ser bem sucedidos neste mundo de relações.
Vemos isto aqui na net, nos nossos empregos, nos lugares onde vivemos, na TV, enfim, por todos os lugares e ficamos muito admirados ou desiludidos quando vemos relações, que julgávamos ser sólidas, sérias e reais fracassarem. Não compreendemos que elas fracassaram porque foram simplesmente iniciadas pelo motivo errado, ou melhor foram iniciadas por motivos não totalmente favoráveis à condição de pessoa de cada um, mas por outros motivos mais interesseiros e oportunos, porque quase todas as pessoas entram no mundo das relações com o objectivo de verificar o que podem tirar ou obter com elas e não o que podem meter nelas.
Entre muitas outras frases, ouvimos frequentemente dizer: «eu não era nada se tu não aparecesses um dia na minha vida» ou «sem ti, a vida não tinha significado», é muito romântico e fica muito liricamente bem em poemas que também eu gosto de fazer, mas quase sempre as coisas mudam e começamos a compreender que afinal o outro lado não nos completa, tudo porque criamos expectativas, exercemos uma pressão enorme para ser toda a espécie de coisas que ele ou ela não é. Acabando por aparecer, por fim, muitas vezes a desilusão, o ressentimento e a raiva.
Vamos olhar para as relações, não com o propósito de ter outra pessoa com a qual nos identificamos ou completamos, mas sim com a qual possamos partilhar a nossa própria plenitude.
O nosso maior teste às relações tem a ver com a forma com que o outro corresponde aos nossos ideais e como nós vimos corresponder os ideais do outro em nós, quando, na verdade, deveria ter a ver com a forma como nós correspondemos aos nossos próprios ideais. Teremos que ser honestos e sinceros com nós mesmo.
A tua relação com o outro fracassa quando a encaras como a maior oportunidade da tua vida para criares e produzires a tua mais elevada conceptualização de outro alguém.
Não interessa o que o outro está a ser, a fazer, a ter, a querer, a exigir. Não interessa o que o outro está a pensar, a esperar, a planear. Só interessa o que tu está a ser em relação a isso. Pode parecer egoísta, mas obsessão pelo outro é o que mata uma relação.

Por fim atrevo-me a dizer que ninguém consegue manter por muito tempo uma relação criada por ela, sem que um dia a verdadeira relação da pessoa com ela mesmo se sobreponha à relação do outro.

Contos por Palavras: , , ,
contado por Jorge Oliveira às 15:12

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|

Outros Contos