mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

Detector de Mentiras

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Segunda-feira, 3 de Março de 2008

Detector de Mentiras

Há muitos anos, quando apareceu no mundo o primeiro detector de mentiras, todos os advogados e estudiosos do comportamento humano ficaram fascinados. O aparelho baseia-se numa série de sensores que detectam as variações fisiológicas da transpiração, contracções musculares, variações de ritmo cardíaco, tremores e movimentos oculares, que ocorrem em qualquer indivíduo quando mente.

 Naquela época, as experiências com a «máquina da verdade», como se lhe chegou a chamar, proliferavam por toda a parte.

Um dia, um advogado decidiu fazer uma investigação muito peculiar. Levou a máquina para o hospital psiquiátrico da cidade e sentou diante dele um paciente internado: J. C. Jones. O senhor Jones era psicótico e, nos seus delírios, garantia que era Napoleão Bonaparte.

Talvez por ter estudado História, conhecia de uma ponta à outra a vida de Napoleão e enunciava com exactidão, e na primeira pessoa, pequenos pormenores da vida do imperador, em sequência lógica e coerente.

Os médicos sentaram o senhor Jones diante do detector de mentiras e, depois de calibrarem o aparelho, perguntaram--lhe:

- O senhor é Napoleão Bonaparte?

O paciente pensou durante uns instantes e depois respondeu:

- Não! Que ideia é essa? Sou J. C. Jones.

Todos sorriram, excepto o operador do detector de mentiras, que informou que o senhor Jones estava a mentir!

A máquina demonstrou que, quando o paciente dizia a verdade (isto é, quando afirmava ser o senhor Jones), estava a mentir... porque acreditava que era Napoleão.
Quase todos nós confundimos a «verdade», com «não mentir», naturalmente levados por pensamentos que nos fazem querer que nos mentem. Esta atitude é racional, pois passamos a vida a ouvir uma coisa e descobrimos, antes ou depois, que não é verdade.
Que nos ensina esta história?... Não vou deixar o meu comentário como costumo fazer com as outras minhas histórias!... Vou deixar ao V/ critério...

Contos por Palavras: , , , ,
contado por Jorge Oliveira às 15:47

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|

Outros Contos