mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

O Escravo do Sec. XXI

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2008

O Escravo do Sec. XXI

Passeio por um caminho solitário.
Desfruto do ar, do sol, dos pássaros
E do prazer de ser levado pelos meus pés
Para onde quer que eles me levem.
De um lado do caminho
Encontro um escravo a dormir.
Aproximo-me e descubro que está a sonhar.
Pelas suas palavras e expressões adivinho...
Sei o que sonha:
O escravo está a sonhar que é livre.
A expressão do seu rosto reflecte paz e serenidade.
Pergunto-me...
Devo acordá-lo
E mostrar-lhe que é apenas um sonho
Para que saiba que continua a ser um escravo?
Ou devo deixá-lo dormir o tempo todo que puder,
Desfrutando, nem que seja apenas em sonhos,
Da sua realidade fantasiada?

Qual a reposta correcta?

Não há uma resposta correcta.
Cada um deve encontrar a sua própria resposta e não pode ir procurá-la fora de si mesmo.
Existe quem ficaria paralisado à frente do escravo, sem saber o que fazer.
Mas eu vou-te dar-te uma ajudinha. Pode ser que te sirva para alguma coisa. Enquanto estiveres paralisado, aproxima-te do escravo e observa-o. Se o escravo for eu, não hesites:

ACORDA-ME!

Contos por Palavras: , , ,
contado por Jorge Oliveira às 17:41

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|

Outros Contos