mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

OS FINS JUSTIFICAM OS MEI...

O DESERTO DE ÁGUA

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Quarta-feira, 2 de Abril de 2008

OS FINS JUSTIFICAM OS MEIOS

Um dia, um certo homem foi fazer uma viagem de avião. Era um homem crente em Deus e com certeza que Ele o protegia. Durante a viagem, enquanto sobrevoavam o mar, um dos motores falhou e o piloto teve que fazer uma aterragem forçada no oceano.

 

Quase todos morreram, mas o homem conseguiu agarrar-se a algo que o conservaria em cima da água. Ficou boiando à deriva durante muito tempo até que chegou a uma ilha não habitada.

 

Ao chegar à praia, cansado, porém vivo, agradeceu a Deus por o ter livrado da morte. Ao longo do tempo foi-se alimentando de peixes e ervas, derrubou algumas árvores e com muito esforço conseguiu construir um abrigo, com paus e folhas.

 

Ficou todo satisfeito e mais uma vez agradeceu a Deus, porque agora podia dormir sem medo dos animais selvagens que talvez pudessem existir na ilha.

 
Certo dia, estava pescando e como ja tinha peixe abundante regressou a casa. Porém, ao voltar-se na sua direção, qual não foi sua decepção, ao ver que a casa estava toda incendiada. Sentou-se numa pedra chorando e dizendo em prantos:

"Deus! Como é que pudeste deixar isto acontecer comigo? sabes o quanto eu preciso desta casa para me abrigar. Deixaste-a queimar todinha. Não tem compaixão de mim?"

Neste mesmo momento uma mão pousou no seu ombro e ele ouviu uma voz dizendo:

"Vamos rapaz?"

Ele virou-se para ver quem estava falando com ele, e qual não foi sua surpresa quando viu à sua frente um marinheiro todo fardado e dizendo:

"Vamos rapaz, nós viemos buscar-te".

"Mas como é possível? Como é que vocês souberam que eu estava aqui?"

"Ora, amigo! Vimos os seus sinais de fumo pedindo socorro. O capitão ordenou que o navio parasse e mandou-me vir busca-lo naquele barco ali adiante."

Os dois entraram no barco e assim o homem foi para o navio que o levaria em segurança de volta a casa.

Contos por Palavras: , ,
Segunda-feira, 10 de Março de 2008

O DESERTO DE ÁGUA

Escrevi outrora", diz Diolé, "que quem tivesse conhecido o mar profundo já não podia voltar a ser um homem como os outros. É em instantes como este (no meio do deserto) que tenho a prova disso. Pois percebi que mentalmente, enquanto caminhava, eu enchia de água o cenário do Deserto! Na imaginação, eu inundava o espaço que me cercava e no centro do qual caminhava.


Vivia numa imersão inventada. Deslocava-me no centro de uma matéria fluida, luminosa, protectora, densa, que era a água do mar, a lembrança de água do mar. Esse artifício bastava para humanizar aos meus olhos um mundo de uma secura repugnante, conciliando-me com as rochas, com o silêncio, com a solidão, com as toalhas de ouro solar que caíam do céu. Minha própria fadiga estava amenizada. Meu peso apoiava-se em sonho nessa água imaginária.

 
"Percebi então que não era a primeira vez que inconscientemente recorria a essa defesa psicológica. O silêncio e a lenta progressão de minha vida no Saara despertavam em mim a lembrança do mergulho. Uma espécie de doçura banhava então minhas imagens interiores; e na passagem assim reflectida pelo sonho a água aflorava naturalmente. Eu caminhava, trazendo comigo reflexos luzentes, uma espessura translúcida que nada mais era que lembranças do mar profundo.

Philippe Diolé ensina-nos a estar em outro lugar sem mudar-nos de lugar, apenas de natureza, quando tudo em nós parece ser uma imagem deserta, fatalista, moribunda e melancólica.


Um cenário angustiante, cheio de obstáculos, que nos podem reter como uma prisão para a morte, é transformado, as areias infinitas tornam-se em água ilimitada.


Tão somente, basta a imaginação para viver num novo espaço, todos nós somos capazes de transformar areia em água. As imagens fazem parte do nosso ser, estando na base de qualquer imaginação na procura de ser feliz. Nada há quem derive de quimeras e ilusões, as imagens são reais. Nesta história o tempo e o espaço estão aqui sob o domínio da imagem da nossa própria natureza. Que custa tentar?

Contos por Palavras: , , ,
contado por Jorge Oliveira às 17:10

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|

Outros Contos