mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

A TODOS O QUE LEÊ...

Dia de Anos de Uma Crianç...

Dia de Anos de Uma Crianç...

O TEMPO E O AMOR

ERA GLACIAL

OS FINS JUSTIFICAM OS MEI...

Gladiadores do sec. XXI

FORTE CASTELO DE AREIA

FRAGIL CASTELO DE AREIA

AMIGO

O PATO E A CORUJA

ACASO OU DESTINO

NESTA PASCOA PENSA COMIGO

O porquê da Pascoa cedo e...

O Carochinha e o João Rat...

DIA DO PAI

A SIMPLICIDADE

O DESERTO DE ÁGUA

ABRE UMA NOVA JANELA

QUEM LEMBRA A NAU CATRINE...

UM PASSEIO PELO CAMPO

SABEDORIA INFANTIL

A Noite em que a Noite Nã...

Às 7 em Ponto

Detector de Mentiras

A GRANDE LEI DE SALAZAR

O Mundo nas mãos de uma c...

A Loja da Verdade

De Quem Gostamos Afinal?

O Estado da Justiça Em Po...

PARA QUEM O TRABALHO É UM...

Uma Prenda Diferente

Um Minuto

A importância de um amigo

S. Valentim

A MASCARA

Julgar é Fácil

Quem És?

RELAÇÔES HUMANAS

Mais que ensinar, saber o...

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Sábado, 22 de Março de 2008

NESTA PASCOA PENSA COMIGO

Tentamos procurar um sinal, um princípio de tudo, esperando que chegue até nós através dos outros ou das coisas o que queremos sentir.
Quantas vezes sem conta abrimos a nossa caixa de correio, o nosso email, para ver se temos cartas ou mensagens e se lembraram de nós. Por mais que nos esforcemos, queremos estar é com quem nos dá atenção e quase esquecemos quem a nós não nos diz nada, pelo seu silêncio.

Procuram-se recordes de visitas as nossos blogs, a livros que se escrevem, às musicas que se fazem… existe sempre um TOP +. Ser centro de atenções. Estamos sempre à espera da atenção ou reconhecimento de algo ou alguém. Se não o conseguimos tentamos seguir os TOP's + para estarmos com os outros e assim sentirmos gente. 

Haverá um dia, de certo, em que essa atenção nunca chegará (o nosso dia). E se todos pensassem que o principio das coisas tem que partir dos outros e não de nós? Ninguém jamais conseguiria comunicar, porque estaria eternamente à espera que o outro lado deixe o primeiro sinal, só que o outro lado, seguindo este princípio, também pensaria assim, nada aconteceria, e o mundo não poderia avançar. Quantos amores e amizades não assim não se perdem?

Talvez percamos tempo demais a esperar, é muito mais fácil receber do que dar, quando deveria ser ao contrário. Os outros e as coisas parecem-nos desiludir quando teimam a chegar tarde, como se essa fosse uma obrigação sempre dependente de uma terceira parte envolvente e não de nós próprios. O que sabemos nós do silêncio dos outros e das coisas, apenas conhecemos o nosso e só nós sabemos se temos ou não tempo para dar e estar com os outros, nunca saberemos o que fundamenta a ausência do outro lado, mas sabemos da nossa presença.

Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um de nós pode começar agora e fazer um novo fim para abrir caminho a um novo princípio.

Lamentamo-nos que a vida é cheia de desencontros, será que já nos encontramos a nós próprias para podermos encontrar alguém?

Contos por Palavras: , , ,
contado por Jorge Oliveira às 14:36

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|
1 comentário:
De Yap... a 22 de Março de 2008 às 18:13
Propus-me ao teu exercício, pensar contigo a Páscoa, através das tuas considerações feitas reflexões..
E fiquei certa do que já era a minha certeza, da minha linha de pensamento no geral, que poderá ser aplicada ao período Pascal em particular...
Confuso?! Nem tanto, ora pensa lá comigo...
Páscoa é morte, relexão e renascimento em aceitação, certo?
Façamos a analogia á nossa vida quotidiana, em que cada situação que vivenciamos, caso não tenha como perdurar, deve ser reflectida, analisada, e em aceitação, validada pela experiência que nos proporcionou, pelo tanto que aprendemos com esse momento... Depois é seguirmos em frente. sem amarguras, dores ou mágoas a doerem nos corações, pois senão a jornada será penosa e infrutífera...
Isto tudo, porque nunca deveremos centrar o nosso mundo em outro mundo, os mundos tocam-se ou não, sincronizam-se e é tudo de bom, afastam-se e desejamos tudo de bom.
Pois como tu muito bem referes, questionar as razões de outro, cujas razões nos ultrapassam, não é mesmo o caminho!
Viver é amarmos, em todos os registos de amores possíveis:
Nossos pais que nos deram a vida em generosidade.
Nossos filhos que são o prolongamento de nós, em extensões particulares.
Nossos amigos que em suas diferenças capitalizam suas artes em nossos dias.
Nossos colegas, com quem partilhamos diáriamente novas visões de vida, do tanto que trabalhamos juntos por causas comuns.
E até nossos menores desafectos, com esses amores que foram não sendo mais... aprendemos demais.
Mas, para que tal transmutação de amores ocorra, temos que verificar nossos postulados pessoais, dar... dar... dar..., sem quantificarmos o retorno quer pelo seu volume de bagagem, quer pelo tempo de resposta em que ocorra.
Darmo-nos porque somos gente feliz que quer fazer felizes os que ama!
Simples? Olha acredita que a mim parece-me, e do tanto que tenho praticado estou satisfeita com o resultado...
Pensei o suficiente? Ou vai-me ser marcada nova prova? Risos...
Fica bem.
Beijos.
Yap...

comentar Conto

Outros Contos