mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

A TODOS O QUE LEÊ...

Dia de Anos de Uma Crianç...

Dia de Anos de Uma Crianç...

O TEMPO E O AMOR

ERA GLACIAL

OS FINS JUSTIFICAM OS MEI...

Gladiadores do sec. XXI

FORTE CASTELO DE AREIA

FRAGIL CASTELO DE AREIA

AMIGO

O PATO E A CORUJA

ACASO OU DESTINO

NESTA PASCOA PENSA COMIGO

O porquê da Pascoa cedo e...

O Carochinha e o João Rat...

DIA DO PAI

A SIMPLICIDADE

O DESERTO DE ÁGUA

ABRE UMA NOVA JANELA

QUEM LEMBRA A NAU CATRINE...

UM PASSEIO PELO CAMPO

SABEDORIA INFANTIL

A Noite em que a Noite Nã...

Às 7 em Ponto

Detector de Mentiras

A GRANDE LEI DE SALAZAR

O Mundo nas mãos de uma c...

A Loja da Verdade

De Quem Gostamos Afinal?

O Estado da Justiça Em Po...

PARA QUEM O TRABALHO É UM...

Uma Prenda Diferente

Um Minuto

A importância de um amigo

S. Valentim

A MASCARA

Julgar é Fácil

Quem És?

RELAÇÔES HUMANAS

Mais que ensinar, saber o...

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

PARA QUEM O TRABALHO É UMA OBRIGAÇÂO

Numa bela cidade, tinham sido descobertos alguns achados arqueológicos e vestígios de um local de passado longínquo. As descobertas foram alvo de notícia por todo o lado. Os governantes locais decidiram então construir nesse lugar um grande museu.

A grandiosa construção deu trabalho a muitos homens daquela zona, sendo muitos os homens que lá estavam a trabalhar. A actividade era intensa, desgastante e com bastante trabalho árduo e variado.

Dado ser uma construção de primordial importância, para a cidade, região e também para o País, era visitado constantemente por personagens importantes. Até que um dia uma grande figura, em visita ao local, apercebeu-se de três trabalhadores que estavam a fazer um dos serviços mais árduos daquela obra, consistindo em acarretar pedras para o local a onde eram necessárias, impressionada pelos esforços dos operários quis saber como cada um estava-se a reagir a tal trabalho, aproximando-se do primeiro perguntou-lhe:

 - Que estás a fazer?

O trabalhador, olhando-o assombrado, disse:

- Não vê? Estou de rastos a acarretar pedras, cansado deste serviço, enquanto Você ai está sem fazer nada. Não se conformando com as inclemências da vida.

Aproximou-se de outro e perguntou-lhe: - Que estás a fazer?

E ele respondeu: - Estou a trabalhar para ganhar o meu sustento e da família, enquanto outros ganham muito mais que eu à boa vida. Também este não se conformou com a incomplacência do destino.

Por fim, aproximou-se do terceiro e disse-lhe:
- Que estás a fazer tu?

Este, erguendo a cabeça, com orgulho e alegria, disse:
- Estou construindo um património para a Humanidade!

Esta história mostra-nos duas verdades:

Primeira, por mais que não consigamos entender, há sempre quem tenha nascido em berço de ouro e nada precise fazer para trabalhar, apenas temos que nos habituar a esta ideia e não os invejar por isso, mas lutar por nós.


Segunda, todos aqueles que não nasceram em berço de ouro têm que trabalhar. Muitas são as maneiras de trabalhar. Mas são poucos os que sabem fazê-lo como deve ser.
Poucos se dão conta de que o trabalho, mais que um fardo pesado, é a realização de uma obra divina. Poucos se dão conta de que o trabalho, seja qual for, é, ou deve ser sempre, o desenvolvimento e expressão das capacidades que somos como seres humanos.


O trabalho é, ou deve ser, não só um meio de satisfazer as necessidades físicas elementares, mas também de satisfazer essa outra necessidade muito mais profunda de expressar as capacidades internas e sentir o gozo de ver satisfeitas e cumpridas essas necessidades internas ao desenvolver as próprias potencialidades.

Contos por Palavras: ,
contado por Jorge Oliveira às 17:09

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|

Outros Contos