mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Contos Recentes

A TODOS O QUE LEÊ...

Dia de Anos de Uma Crianç...

Dia de Anos de Uma Crianç...

O TEMPO E O AMOR

ERA GLACIAL

OS FINS JUSTIFICAM OS MEI...

Gladiadores do sec. XXI

FORTE CASTELO DE AREIA

FRAGIL CASTELO DE AREIA

AMIGO

O PATO E A CORUJA

ACASO OU DESTINO

NESTA PASCOA PENSA COMIGO

O porquê da Pascoa cedo e...

O Carochinha e o João Rat...

DIA DO PAI

A SIMPLICIDADE

O DESERTO DE ÁGUA

ABRE UMA NOVA JANELA

QUEM LEMBRA A NAU CATRINE...

UM PASSEIO PELO CAMPO

SABEDORIA INFANTIL

A Noite em que a Noite Nã...

Às 7 em Ponto

Detector de Mentiras

A GRANDE LEI DE SALAZAR

O Mundo nas mãos de uma c...

A Loja da Verdade

De Quem Gostamos Afinal?

O Estado da Justiça Em Po...

PARA QUEM O TRABALHO É UM...

Uma Prenda Diferente

Um Minuto

A importância de um amigo

S. Valentim

A MASCARA

Julgar é Fácil

Quem És?

RELAÇÔES HUMANAS

Mais que ensinar, saber o...

Arquivos

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Contos por Palavras

vida(25)

amigos(18)

amor(13)

felicidade(11)

família(9)

solidão(8)

amizade(7)

sonho(7)

criança(4)

historias(4)

verdade(4)

morte(3)

acaso(2)

animais(2)

atenção(2)

crença(2)

destino(2)

ensinar(2)

esperança(2)

humanas(2)

lei(2)

pascoa(2)

paz(2)

portugal(2)

querer(2)

relaçôes(2)

simplicidade(2)

actor(1)

aventura(1)

azar(1)

contos(1)

dar(1)

diferença(1)

(1)

filho(1)

honestidade(1)

igualdade(1)

julgar(1)

justiça(1)

lenda(1)

liberdade(1)

mar(1)

mentira(1)

namorados(1)

natal(1)

pai(1)

pátria(1)

receber(1)

salazar(1)

sorte(1)

teatro(1)

tempo(1)

trabalho(1)

viagens(1)

todas as tags

Leitores de Histórias:

Counters
Counters

Quantos estão nos contos:

a ler
blogs SAPO

subscrever feeds

Quinta-feira, 27 de Março de 2008

FRAGIL CASTELO DE AREIA

 

Era uma vez uma menina. Menina essa que era o centro do mundo. Talvez não o fosse, mas sentia que a ela pertencia... Essa menina sempre teve rios de amor à sua volta, mares de sorrisos, cascatas de beijos... essa menina só podia ser feliz. E era! Era uma menina feliz ...

Essa menina abusava na sua oferta. Dava o que tinha e o que não tinha. Essa menina tinha castelos e nele punha todo o seu mundo. Essa menina era médica e curava todos os seus povos. Essa menina era Rainha, e sempre havia festa no seu reino. A menina era por vezes “condenada” por metralhar o seu mundo de beijos e abraços.

Mas não seria essa a essência da menina?! Uma fragrância de flores, coberta de beijos ... fustigada a abraços. A menina tinha o titulo do Riso! O mundo parava se não estava a rir ... Uma dia parou E então a menina viu que, na verdade, só ela tinha parado. Essa menina foi crescendo. O encanto dela nunca se perdeu e ás vezes ainda se apercebe que pode ser um “pequeno mundo” de alguém ... Pobre menina. Pobre menina crescida que se tornou em anémona. Com o toque retrai ... Pobre menina crescida que foge com o olhar ... Pobre menina crescida que para um estranho lugar foi viver. Sem castelos, rios ou cascatas ... Pobre menina crescida que deixou de brincar e sonhar ... O seu mundo ainda se move a risos... Veio uma onda e levou-lhe o castelo...

(continua no post seguinte, do dia 28.MAR)...

 

 

Contos por Palavras: , ,
contado por Jorge Oliveira às 08:09

link do Conto | o que conta sobre este conto? | favorito
|
3 comentários:
De Yap... a 28 de Março de 2008 às 02:43
FRAGIL CASTELO DE AREIA / Versão Yap... (continuação)
"...Pobre menina crescida que deixou de brincar e sonhar ... O seu mundo ainda se move a risos... Veio uma onda e levou-lhe o castelo."

E porque os risos são pózinhos mágicos, aspirados directamente em nossos corações, essa pobre menina crescida, um dia em simples passe de magia ... voltou a brincar, e se viu mesmo menina em suas fantasias, muito mais que rainha, médica ou princesa, por milagre se viu ...De verdade!!! E sentiu que seu riso era o de outrora, cristalino, sonoro e puro!
Foi nesse instante, tão fugaz, quanto importante, que decidiu reconstruir "Seu Castelo", realinhar o seu areal de mimos, devolver em dobro todos os carinhos de seu povo, em abraços alimentar seus iguais, pois essa menina vivia, sorria, amava de novo... e isso era Demais!
Não que agora seus predicados fossem estranhados, pois em sua perca, forma mais que esperados!
Então a Menina mimou muito, amou demais, a si, a seus sonhos, a todos e todos, pois só assim se fez de fantasias, alegrias, risos puros e bons, de que esse Mundo/Reino tanto necessitam, pois ser Realeza ou Divindade, é só para quem tem pureza em seu coração!

PS. Olá Jorge! Eu que findo o meu trabalho de mais um módulo do curso, passei por aqui para te ler, acabei colocando mais um desvairio meu, que te vai tirar ou não as palavras... (risos), ao ponto de ainda me "bloqueares" este acesso, só para não me aturares!!!(muitos risos saudáveis mesmo!), mas já me conheces um pouco, creio que o suficiente para saberes que não resisto a acreditar em finais felizes... pelo que... aprontei de novo!!!
Beijo de carinho.
E em 1 2 3 , menina Yap... dormindo, que amanhã é dia de trabalho, e nem os meus risos me safam se chegar too Late!!!

Yap...


De Jorge Oliveira a 28 de Março de 2008 às 12:48
You are always just in time... Vê o que fiz!
De Rosa a 28 de Março de 2008 às 21:31
Eu vi... e silenciaste-me!

comentar Conto

Outros Contos